Yemanjá

Salve nossa Mãe Yemanjá.

Oração:
Odoiá, Odoiá, Iemanja. Rainha das ondas, Sereia do Mar. Como é belo o seu canto, senhora.

Quem escuta, chora, mãe das aguas dê-me sucesso, progresso e vitoria em meus caminhos.

Abre meus caminhos no amor, cuida de mim, Odoiá, Divina Rainha! Que a tristeza se afaste de mim

e que as aguas sagradas do Oceano lavem minha alma e meu ser.

Abençoa, mãe, minha familia e meus amigos e permita que o amor seja nossa maior fonte de energia.

Sou suas aguas, suas ondas e tu cuidas de meus caminhos. Iemanjá, em ti confio. Axé.

Ponto de Louvação a Yemanjá.

Retira a jangada do mar,

Mãe d’água mandou avisar que hoje não pode pescar

Pois Hoje tem festa no mar…

Ê ê ê ê Yemanjá, ela é, ela é a rainha do Mar.

Traz pente, Espelho, ô,ô,ô pra ela se enfeitar,

Traz flores e traz perfume enfeita todo Mar.

IEMANJÁ, a grande mãe, o oceano que origina tudo.

De seu ventre saíram todos os Orixás, dos seus seios correm os rios que fertilizam a terra. Como toda matriarca, é benevolente e preocupada com o bem-estar de todos, mas exerce uma autoridade mais pela astúcia que pela força.

Yemanjá é um orixá africano, cujo nome deriva da expressão ioruba Yèyé Omo ejá (Mãe cujos filhos são peixes).

No Brasil, Yemanjá é um orixá muito popular e é reverenciada no Candomblé, no Batuque, no Xambá, no Xangô do Nordeste e na umbanda, uma das maiores comemorações em honra à Yemanjá ocorre no último dia do ano em várias praias do litoral brasileiro. Antes e após a queima de fogos da passagem do ano, os devotos fazem oferendas à Rainha do Mar, um dos títulos dos quais ela é saudada.
Os devotos a presenteiam com flores, perfumes, velas, tanto na areia da praia, quanto nas ondas do mar.

Um dos nomes dados à Yemanjá é Janaina. Ela é a deusa do mar e protetora das mães e esposas.

Lenda de Yemanjá

segundo o Candomblé

Yemanjá era a filha de Olokum, a deusa do mar. Em Ifé, ela tornou-se a esposa de Olofin-Odudua, com o qual teve dez filhos, estas crianças receberam nomes simbólicos e todos tornaram-se orixás. Um deles foi chamado de Oxumaré, o Arco-Íris, “aguele-que-se-desloca-com-a-chuva-e-revela-seus-segredos”.

De tanto amamentar seus filhos, os seios de Yemanjá tornaram-se imensos.

Cansada da sua estadia em Ifé, Yemanjá fugiu na direção do “entardecer-da-terra”, como os iorubas designam o Oeste, chegando a Abeokutá. Ao norte de Abeokutá, vivia Okerê, rei de Xaki. Yemanjá continuava muito bonita. Okerê desejou-a e propôs-lhe casamento. Yemanjá aceitou mas, impondo uma condição, disse-lhe: “Jamais você ridicularizará da imensidão dos meus seios.”

Mas, um dia, ele bebeu vinho de palma em excesso. Voltou para casa bêbado e titubeante. Ele não sabia mais o que fazia. Ele não sabia mais o que dizia. Tropeçando em Yemanjá, esta chamou-o de bêbado e imprestável. Okerê, vexado, gritou: “Você, com seus seios compridos e balançantes! Você, com seus seios grandes e trêmulos!” Yemanjá, ofendida, fugiu em disparada.

Certa vez, antes do seu primeiro casamento, Yemanjá recebera de sua mãe, Olokum, uma garrafa contendo uma poção mágica pois, dissera-lhe esta: “Nunca se sabe o que pode acontecer amanhã. Em caso de necessidade, quebre a garrafa, jogando-a no chão.” Em sua fuga, Yemanjá tropeçou e caiu, a garrafa quebrou-se e dela nasceu um rio. As águas tumultuadas deste rio levaram Yemanjá em direção ao oceano, residência de sua mãe Olokum. Okerê, contrariado, queria impedir a fuga de sua mulher.

Querendo barrar-lhe o caminho, ele transformou-se numa colina, chamada, ainda hoje, Okerê, e colocou-se no seu caminho, Yemanjá quis passar pela direita, Okerê deslocou-se para a direita, Yemanjá quis passar pela esquerda, Okerê deslocou-se para a esquerda. Yemanjá vendo assim bloqueado seu caminho para a casa materna, chamou Xangô, o mais poderoso dos seus filhos. Xangô veio com dignidade e seguro do seu poder, Ele pediu uma oferenda de um carneiro e quatro galos, um prato de “amalá”, preparado com farinha de inhame, e um prato de “gbeguiri”, feito com feijão e cebola e declarou que, no dia seguinte, Yemanjá encontraria por onde passar. Nesse dia, Xangô desfez todos os nós que prendiam as amarras da chuva, começaram a aparecer nuvens dos lados da manhã e da tarde do dia, começaram a aparecer nuvens da direita e da esquerda do dia e quando todas elas estavam reunidas, chegou Xangô com seu raio. Ouviu-se então: “Kakara rá rá rá” … Ele havia lançado seu raio sobre a colina Okere. Ela abriu-se em duas e, “suichchchch” … Yemanjá foi-se para o mar de sua mãe Olokum, aí ficou e recusa-se, desde então, a voltar em terra.

Bibliografia: Livro: Lendas Africanas dos Orixás; autor: Pierre Fatumbi Verger

YEMANJÁ

SOBERANA DAS ÁGUAS

OUTROS DADOS:

Seu elemento é a água salgada, seu domínio a maternidade (adulta) e a pesca – e atividades econômicas desenvolvidas no mar em geral. Seu símbolo portanto, é um abebé, leque de metal prateado com a figura de um peixe. As cores dedicadas a Yemanjá são o branco, o rosa-claro e o azul-claro, no culto de candomblé tradicional além da cor prata. As contas que seus filhos usam são de vidro transparente. Já na umbanda é associada ao azul e ao branco, assim como acontece com Oxum. Cultua-se Yemanjá em geral aos sábados, como as outras mães da água. Para ela sacrificam-se patas, galinhas e cabras brancas. Suas comidas são também brancas: ebó de milho branco com mel, arroz e angu. A sua saudação é Odoiá!!! ou Odô-fé-iabá ou Odofiabá!!!!

ERVAS PARA BANHO E DEFUMAÇÃO:

Jasmim, araticum-da-praia, folha-da-costa, graviola, capeba, mãe-boa, musgo marinho encontrado nas pedras marinhas, alcaparra, entre outras.

COR DA GUIA: Contas brancas cristalinas ou azul claras.

BEBIDAS: Água de coco, mel, água salgada ou potável, champanha e suco de suas próprias ervas e frutos.

FLORES: Rosas e palmas brancas.

COMIDAS: Canjica branca, peixe fritos, arroz, arroz-doce com mel, acaçá, pudim, etc.

FRUTAS: Mamão, graviola, uvas brancas, melancia.

      Trilha 23 - Filha de Iemanjá
      Iemanjá - Brilhou, Brilhou No Mar... - Umbanda
      Track12 - Raízes de Kêto
      Rainha das Ondas - TBS Produções
      Tem Areia No Fundo Do Mar - Caritas
      A Sereia Quer Brincar - Caritas
      Na beira da praia - Caritas
      O que barco tão lindo & Brilhou Brilhou & A marola do mar - Caritas
      CD 01 - Iemanjá - Louvação a Iemanjá - José Carlos D'Oxossi

 









  • Av. Dona Sofhia Rasgulaeff 177.
    Jardim Alvorada/ Maringá /Paraná
    Telefone: (44) 3034-5827 (44) 99956-8463
    Consultas Somente com Hora Marcada.
    Atendimento: de Segunda a sexta-feira
    Das 09:00 as 19:00 horas.
    Não damos consultas:
    via WhatsApp ou via E-mail e mensagens de celular.



Esta entrada foi publicada em Orixás. Adicione o link permanente aos seus favoritos.