Os Marinheiros na Umbanda

SALVE O POVO DAS ÁGUAS!!

SALVE TODOS OS SEGUIDORES DE NOSSA MÃE IEMANJÁ!

PONTO DE MARINHEIRO:

Navio Negreiro no fundo do mar
Navio Negreiro no fundo do mar
Correntes pesadas arrastando na areia
A negra escrava se pos a cantar
A negra escrava se pos a cantar
Saravá minha Mãe Iemanjá
Saravá minha Mãe Iemanjá
Virou a caçamba pro fundo do mar
Virou a caçamba pro fundo do mar
Quem me salvou foi mãe Iemanjá
Quem me salvou foi mãe Iemanjá .

Salve Todos os marinheiros.

Marinheiro na Umbanda são entidades geralmente associada aos marujos, que em vida empreendiam viagens pelos mares, enfrentando toda sorte de infortúnios.
Ótimos guias para desmanche de feitiçaria, os marinheiros trazem com seu jeito alegre a dispersão de fluidos oriundos do baixo astral, bebericando sua cerveja, rum ou cachaça apesar de seu modo cambaleante, estão mantendo o equilibrio encimando ondas vibratórias densas que emanam de entidades maléfica, tratando todos guias e consulentes de mano, sao entidades irmanadas no auxilio mútuo ao próximo.

Eles chegam do mar e desembarcam em terra, sua alegria é contagiante, abraçam a todos, brincando sempre, com aquele jeito meio “maroto”, embriagado. São os Marinheiros, grupo de Espíritos que trabalham na Umbanda em prol da caridade.

Eles conheceram muito bem o mar e a navegação, pois participaram da descoberta de novos mundos através das viagens que empreenderam que duraram anos e anos.

As Entidade de Marinheiro trabalham na Linha de Iemanjá e também de Oxum, que compõem o chamado “Povo da Água”. Seus conselhos e mensagens são sempre cheios de esperança e de fé. Costumam trabalhar em grupos. São fortes, pois enfrentarem guerras e mares agitados, mas também conheceram a calmaria e a bonança.

Dão consultas, passes e também fazem trabalhos fortes de descarrego que envolvam grandes demandas. Em algumas casas, também costumam trabalhar nas giras de desenvolvimento de Médiuns.

Quando dão consultas, essa Falange costuma ir direto ao ponto, sem rodeios, mas também sabem como falar aos consulentes sem criar um clima desagradável ou de medo. Assim, conseguem atingir fundo as almas dos aflitos que costumam procura-los em busca de auxilio e de esperança.

Carregam consigo um sentimento profundo de amizade. Nas consultas, gostam muito de ajudar àquelas pessoas que se apresentam com problemas amorosos. Seus conselhos são sempre fiéis e certeiros, têm uma grande responsabilidade e assumem o compromisso de um trabalho bem-feito.

Seu Martinho Pescador
Umbanda

Seu Martim Pescador
Que vida é a sua?
É bebendo cachaça
Caindo na rua
Eu também sei nadar
Eu também sei nadar no mar
Eu também sei nadar
Eu também sei nadar no mar
Eu também sei, também sei, também sei nadar
Eu também sei, também sei, também sei nadar
Na barra vi só dois navios
Perguntando se podia entrar
A barra já está tomada seu marujo
Nessa barra aqui quem manda é Oxalá
A barra já está tomada seu marujo
Nessa barra aqui quem manda é Oxalá


Seu Martim Pescador
Que vida é a sua?
É bebendo cachaça
Caindo na rua
Eu também sei nadar
Eu também sei nadar no mar
Eu também sei nadar
Eu também sei nadar no mar
Eu também sei, também sei, também sei nadar
Eu também sei, também sei, também sei nadar
Na barra vi só dois navios
Perguntando se podia entrar
A barra já está tomada seu marujo
Nessa barra aqui quem manda é Oxalá
A barra já está tomada seu marujo
Nessa barra aqui quem manda é Oxalá

As Quatro Velas

Quatro velas estavam queimando calmamente. O ambiente estava tão silencioso que se podia ouvir o diálogo que tratavam.

A primeira disse:

– Eu sou a Paz! Apesar da minha luz as pessoas não conseguem manter-me, acho que vou apagar.

E diminuindo devagarzinho, apagou totalmente.

A segunda disse:

– Eu me chamo Fé! Infelizmente sou muito supérflua. As pessoas não querem saber de Deus. Não faz sentido continuar queimando. Ao terminar sua fala, um vento levemente bateu sobre ela, e esta se apagou.

Baixinho e triste a terceira vela se manifestou:

– Eu sou o Amor! Não tenho mais forças para queimar. As pessoas me deixam de lado, só conseguem se enxergar, esquecem-se até daqueles à sua volta que lhes amam. E sem esperar apagou-se.

De repente… entrou uma criança e viu as três velas apagadas.

– Que é isto? Vocês deviam queimar e ficar acesas até o fim. Dizendo isso começou a chorar.

Então a quarta vela falou:

– Não tenhas medo criança, enquanto eu queimar podemos acender as outras velas, eu sou a Esperança!

A criança com os olhos brilhantes pegou a vela que restava e acendeu todas as outras.

“QUE A VELA DA ESPERANÇA NUNCA SE APAGUE DENTRO DE NÓS”.

USO DE FERRAMENTAS PELOS GUIAS ESPIRITUAIS

Muitos guias espirituais usam ferramentas para absorver energias condensadas, atrair ou projetar ondas vibratórias, descarregar os médiuns e os consulentes de energias negativas, etc.
Para muitos que desconhecem os fundamentos da Umbanda, para os que estão iniciando na religião ou mesmo para aqueles que estão apenas visitando um terreiro para tomar um passe, as ferramentas utilizadas pelos guias aparentam ser apenas adereços e símbolos para chamar a atenção e tornar o ritual cheio de pompas.
Mas tudo na Umbanda tem sua razão de ser e existir. Nada é por acaso.
Antes de explicar para que servem as ferramentas utilizadas pelos guias espirituais, vamos conhecer algumas:
· Pretos / Pretas velhas: cachimbo, bengala, rosário, terço, figa, crucifixo, lenço, xale, chapéu
de palha, cigarro de palha, etc.
· Exú: tridente, corrente, marafo, charuto, cigarro, capa, cartola, guias de aço, etc.
· Pomba-gira: batom, cigarrilha, anéis, colares, saias, lenços, joias, etc.
· Caboclos de Oxóssi: penachos, cocares, arco e flecha, charuto, cuia, etc.
· Caboclos de Ogum: lança, espada, elmo, espada de São Jorge ou Ogum, etc.
· Caboclos de Xangô: oxé (machado de pedra de duas pontas), pedras, charuto, etc.
· Baiano: chapéu, cigarro de palha, badulaques, coco verde, facão, etc.
· Marinheiro: boné branco, copo com pinga, cigarro, cordas, etc.
· Boiadeiro: chicote, chapéu, cinto, lenço, etc.
· Obaluaye / Omulú: roupa de palha da costa, xaxará, pipocas, etc.
· Cigano: baralho, lenço, incenso, pedras, joias, almofadas, etc.
· Erês: brinquedos, bexigas, doces, bebidas, óculos coloridos, bonés, saias, etc.
Há outras linhas de trabalho nos terreiros, por isso enumeramos as mais conhecidas com apenas
algumas ferramentas que cada uma delas utiliza, cada qual com sua devida utilidade não servindo
apenas como mero adereço, como um batom, por exemplo.
Para que servem as ferramentas?
Algumas ferramentas como chapéus, cocares, capas, saias, etc., servem como proteção ao
médium girante; outras como bengalas, tridentes, espadas, flechas, etc., servem como um meio para
descarregar o médium ou o consulente; e há também as ferramentas como incenso, joias, pedras, coco
verde, doces, bebidas, etc., que servem para atrair e carregar o médium girante com energia positiva,
ajudando no seu fortalecimento, equilibrando-o e acalmando-o.
Não há uma regra com relação à função de cada ferramenta, pois os guias utilizam a mesma
ferramenta para diversos usos, dependendo de sua vontade e do objetivo que ele quer atingir, como por
exemplo, a bengala do preto velho pode descarregar o médium, mas também pode servir como meio
para atrair energia positiva e carregar o médium.
Como são utilizadas as ferramentas?
Cada guia espiritual utiliza a ferramenta de acordo com seu fundamento e axé e há variação no
uso ou no tipo de ferramenta até mesmo entre guias de mesma linha – como a linha de caboclos Pena
Branca, onde um caboclo pode utilizar um cocar e outro utilizar apenas uma cuia com água e mel. O
médium girante também influencia na escolha da ferramenta, pois o seu corpo é um transmissor e
receptor de energias, mas a facilidade por onde “entra e sai” energia do seu corpo (que pode ser através
das mãos ou dos pés ou da cabeça ou do tronco, etc.) é o que ajuda o guia a definir qual ferramenta
utilizar.
Para fazer o uso das ferramentas iremos descrever – com linguagem humana e pobre – como um
(a) preto (a) velho (a) faz uso das mesmas:
I. Chapéu de palha, lenço, xale, etc.
a. Energia positiva: atrai bons fluídos e energia para a coroa do médium.
b. Energia negativa: protege a coroa do médium de vibrações negativas que estão no ambiente e
ainda não foram processadas durante o ritual.
II. Cachimbo, cigarro de palha, cigarro, etc.
a. Energia positiva: o odor do fumo sendo queimado atrai bons fluídos ao médium e ajuda na
concentração.
b. Energia negativa: queima os miasmas do corpo do médium e dos consulentes.
III. Rosário, terço, figa, crucifixo, guia de contas, etc.
a. Energia positiva: concentra energia positiva e fluído de essência divina para ser repassado ao
médium ou aos consulentes. Também serve como meio para o médium se concentrar no trabalho do
guia.
b. Energia negativa: concentra energia negativa que está no corpo do médium ou do consulente
sendo descarregada quando a ferramenta é jogada ao chão ou quando ela quebra.
IV. Bengala, espada de Ogum, lança de Ogum, galho de guiné, etc.
a. Energia positiva: concentra energia positiva e fluído de essência divina para serem repassadas ao
médium ou aos consulentes.
b. Energia negativa: concentra energia negativa que está no corpo do médium ou do consulente
sendo descarregada quando a ferramenta é batida no chão.
V. Comidas e bebidas como café, bolo de fubá, mandioca, arroz, etc.
a. Energia positiva: concentra energia positiva e fluído de essência divina para ser repassado ao
médium ou aos consulentes.
b. Energia negativa: concentra energia negativa que está no corpo do médium ou do consulente
sendo descarregada quando descartado (cuspido) no “cuspidor”.
VI. Tapete de folhas, tapete de palha, chinelo de palha, etc.
a. Energia positiva: concentra energia positiva e fluído de essência divina localizado no congá para
ser repassado ao médium ou aos consulentes.
b. Energia negativa: concentra energia negativa que está no corpo do médium ou do consulente
sendo descarregada quando o guia bate os pés e ou as mãos contra a ferramenta ou contra o chão.
Para deixar bem claro, quem direciona o
tipo de energia, positiva ou negativa, para a
ferramenta é o guia espiritual, pois é ele que está
visualizando o excesso ou a falta dessas energias,
é ele que sabe como manipular essas energias,
sem afetar o médium ou o consulente.
Mas quem é que define as ferramentas que
os guias utilizarão nos trabalhos? Os próprios
guias!
Por mais “legais e belas” que achamos
algumas ferramentas, e até gostaríamos de
presentear nossos guias, somente os guias é que
pedirão, ou não, as ferramentas. Somente os
guias é que sabem quais as ferramentas que eles
mesmos utilizam e se são ou não necessárias.
Há casos em que alguns terreiros proíbem
o uso de ferramentas pelos guias, mas é claro que
os guias sabem dessa “proibição” e por isso,
manipulam as energias de outras maneiras,
reforçando o direcionamento das energias para
assentamentos ou para o altar, por exemplo.
E se o médium girante quiser presentear
um guia espiritual com uma ferramenta? E se um
consulente presentear o guia espiritual de um
médium com uma ferramenta?
Quando decidimos presentear um guia
espiritual que trabalha conosco, através do uso de
nossa mediunidade, o melhor que se tem a fazer é
perguntar para ele (ou pedir para que outra
pessoa pergunte para o guia) se o presente será
útil ou será uma coisa para atrapalhar. Acredite:
se o guia precisar de uma ferramenta ele pedirá
ao médium ou ao cambono do médium girante, e
às vezes, o que chamamos de “intuição”, como
num caso desses, pode ser apenas uma “vaidade”
de nossa parte. Todo cuidado é pouco.
Se um consulente resolve presentear o
guia espiritual devemos ter em consciência o
seguinte caso: a consulta com o guia espiritual é
gratuita, logo um presente pode caracterizar,
indiretamente, como pagamento por um “serviço
bem feito”. A vaidade do médium também pode
ser exacerbada com este ato. O procedimento
neste caso é: alertar para que os consulentes não
ofereçam presentes aos guias espirituais, mas
caso aconteça, o consulente deve oferecer o
presente diretamente para o guia que saberá o que
fazer com o presente.
E para finalizar este texto, uma dúvida de
muitas pessoas é: uma guia de contas estourou
durante a gira, isso foi descarrego?
Sim e não. Sim se o médium estava muito
carregado negativamente e a única ferramenta
que estava em seu poder era a guia de contas, daí,
em decorrência do excesso de energia ela pode
estourar. Porém não é sempre que uma guia de
contas estoura em decorrência do excesso de
energia. O médium constantemente molha a guia
de contas em banhos de firmeza, amaci e até
mesmo com o próprio suor. Alguns colocam as
guias para energizar com a luz solar ou com a luz
lunar. Esse processo de molhar e secar a guia por
diversas vezes faz com que o fio de nylon da guia
de contas não suporte tanta variação e quebre, e
claro, como o médium só utiliza a guia de contas
em dias de gira, é nesse momento que vai haver o
“estouro” da mesma, e isso não é descarrego.

Bom dia a todos irmãos e irmãs de fé

“Zifios, nega nunca si isqueci duma noiti im qui nóis custumava cultuá us Exú na senzala, isso antis dus sinhô tenta obriga nóis a bate cabeça prus santu católico.
Elis tinha medu das gira qui nóis fazia, mais num sabia

Av.na Sofhia Rasgulaeff 177.

Jardim Alvorada/ Maringá /Paraná

Telefone: (44) 3034-5827 (44) 99956-8463

Consultas Somente com Hora Marcada.

Atendimento: de Segunda a sexta-feira

Das 09:00 as 19:00 Horas.

Não damos consultas via whatsapp, e-mails ou mensagem de Celular.

Agradecemos sua visita volte sempre!

Esta entrada foi publicada em Umbanda. Adicione o link permanente aos seus favoritos.