O médium paciente

O médium paciente.

Era mais um dia de trabalho oficial no templo, tudo ocorria conforme o programado. Naquele ambiente harmônico, pouco a pouco, eram atendidos todos os pacientes. Tudo corria dentro da normalidade da rotina do templo, exceto para um doutrinador que trabalhava nos tronos, que naquele dia, passaria por uma grande experiência. Ele trabalhava junto a sua ninfa, que naquela oportunidade incorporava a preta velha: Vovó Catarina das Cachoeiras. A sua atenção

era dividida entre o seu sacerdócio e um médium que se encontrava sentado no banco dos pacientes em busca de atendimento.

Ele se incomodava em vê um médium, que não somente buscava atendimento,

mas perturbava aquele ambiente, proferindo comentários críticos a respeito do trabalho que ali estava sendo realizado.

Pensava o doutrinador: “Como pode um Jaguar se prestar a um papelão deste?!”.

Mesmo incomodado com aquela situação, ali seguiu realizando o seu trabalho. Na hora daquele médium paciente passar, o comandante deu sinal o chamando para um trono que havia sido liberado, ele prontamente se recusou a passar e permaneceu ali sentado aguardando outro trono, que segundo o seu entendimento, era mais adequado para ele.

Isto causou mais indignação naquele doutrinador, que passou a observar aquele médium paciente, “pacientemente”, recusar todos os tronos que eram liberados.

Quando o doutrinador liberou o paciente o qual estava atendendo, viu a expectativa surgir nos olhos daquele médium que ergueu o corpo, insinuando que agora iria adentrar aquele setor de tronos para ser atendido.

O reflexo do doutrinador foi instantâneo, mesmo sem a preta velha pedir a finalização do trabalho, ele se sentou, deixando a entender que realizaria o encerramento daquele trabalho.

Mas não contava com o carinhoso pedido da preta velha:

-Salve Deus, meu filho! Se não for pedir muito, será que este grande doutrinador daria mais uma oportunidade, a esta nega velha, de atender a mais um paciente?!

Sem jeito, e com um sorriso sem graça no rosto, ele se levantou e deu sinal aos comandantes, pedindo que enviassem mais um paciente.

No primeiro momento ele se incomodou um pouco com aquela situação, pois aquele era justamente o médium que ele criticara a postura, mentalmente, mas a situação mudou quando o médium se sentou naquele trono e disse a primeira frase.

Dali em diante, ele parou se incomodar pouco e passou a se incomodar muito, quando o médium paciente, após se sentar, disse: -Tá vendo vovó! É por isso que eu não trabalho mais nesta casa, olha a postura deste doutrinador:

coloca o uniforme e fica aí atrás querendo encerrar o trabalho a hora que bem entender.

Será que ele não aprendeu que quando estamos aqui dentro não temos hora pra sair?! Francamente! Após aquele comentário, que visivelmente, visava atingir aquele doutrinador, ele passou um longo tempo proferindo criticas aos seus familiares, aos seus conhecidos, a doutrina, ao mundo, ao universo, etc…

Foi o mais longo atendimento que já havia realizado aquele doutrinador.

Praticamente todos os tronos já haviam encerrado, quando aquele médium paciente se levantou os comandantes do radar só aguardavam os tronos para encerrar aquele dia de trabalho.

Naquele momento senta o doutrinador, com a cabeça mais transtornada do que poderia se imaginar.

Pressionado por aquela situação de todo mundo os aguardar para encerrar o trabalho, ele não se permitiu se quer, queixar-se da sua dor e ali se prontificou a encerrar o trabalho.

Mas aquela incorporação era perfeita, aquela médium apará havia conseguido uma boa sintonia, tamanha a ponto de fazer uma comunicação precisa naquele momento.

Disse a vovó: -Meu filho! Salve Deus! Você tão pacientemente esperou longas horas para atender aqueles que aqui se sentaram em busca de socorro, então esta vovó gostaria de antes de encerrar este trabalho, poder lhe dizer algumas palavras.

Vós mercê me permite?! Neste momento o doutrinador levanta a sua cabeça e olha a sua volta, mesmo sentindo um peso imenso pela presença de todos olhando para ele, e nitidamente demonstrando a inquietação para que ele encerrasse aquele trabalho, ele responde a vovó, meio sem jeito: -Vovó! Com maior prazer do mundo eu escuto a senhora.

Pra mim é uma felicidade! Mas estão todos esperando o encerramento deste trabalho para encerrarem os trabalhos por hoje no templo.

Então confesso que estou meio desconfortável com esta situação. Vovó Catarina das Cachoeiras:

-Graças a Deus! Eu sei disso meu filho! Sei bem do que se passa neste teu coração bom, porem, não totalmente esclarecido.

Gostaria de lhe mostrar algo que não esta enxergando meu filho!

Perceba que todos estão de alguma forma olhando para você. Mas lá no radar, tem um que se quer olhou para ti fisicamente, mas espiritualmente esteve e está, conectado a ti e a este trabalho que estamos realizando.

Foi quando o doutrinador olhou para o radar e viu três comandantes. O que estava sentado ao meio, discretamente lia uma mensagem em seu celular, enquanto outro tirava um cochilo e o que restava olhava fixamente para a imagem de Jesus, que se alinhara com aquele radar. E assim prosseguia a preta velha… -Esta é a grandeza desta doutrina meu filho!

Esta é a verdadeira contagem espiritual, esta é a peneira que Pai João tanto falava! Você pensava estar aqui sozinho, mas não está! Aquele irmão seu, que se encontra neste momento sustentando a Corrente Mestra na terra, está na sua sintonia, vibre com ele e tente perdoar os demais, pois eles só oferecerão aquilo que eles possuem neste momento.

Ali se formava a verdadeira magia de nosso senhor Jesus Cristo.

Aquela preta velha havia mudado totalmente o quadro mental daquele doutrinador. Agora envolvido no esclarecimento daquela nega velha, ele se mostrou mais receptivo a comunicação que seguiria.

Então continuou a preta velha…

-Meu filho! Graças a Deus! Foi uma conquista muito grande sua poder chegar aqui para receber estes esclarecimentos. Você está pronto para mais um passo em sua vida missionaria. Peço em nome de nosso senhor Jesus Cristo, que eleve os seus pensamentos a vossa Princesa. Vamos pedir a ela que despeje em vosso coração toda a emanação de luz para a perfeita realização de tudo que irá seguir neste instante bendito. Ali a preta velha manipulou por alguns minutos a áurea daquele doutrinador e logo após continuou aquele trabalho de comunicação. -Graças a Deus, meu filho!

Temos agora o padrão necessário para poder entregar-lhe um presente.

Mas não é um presente qualquer, é o presente que você fez por merecer, pois esta foi uma conquista sua meu filho! Graças a Deus! O doutrinador cada vez mais curioso, ouvia atento aquela comunicação, que naquele momento lhe proporcionava muita paz. -Por mais que esta nega veia queira dar muitos presentes aos meus filhos, nada posso fazer se eles não conquistam a sintonia precisa para recebê-los.

Aquele paciente que atendemos agora a pouco, meu filho, é um espirito de luz que aceitou o grande desafio, de mesmo não precisando mais encarnar, vir a terra para ajudar nesta missão.

Naquele momento foi como se explodisse uma bomba no coração daquele doutrinador, ele não baixou o seu padrão vibratório, mas sentiu uma curiosidade como nunca havia sentido antes na vida.

O sentimento foi tão forte que podemos usar um termo bem pejorativo pra descrever o seu espanto naquele momento, foi algo do tipo:

“Para o mundo! Eu quero descer!”. Não se contendo com aquela situação resolveu interromper a preta velha: -Vovó! Mil perdoes pela minha ignorância, mas será que eu ouvi direito: espirito de luz?! Como pode ser possível isto vovó?!

Aquele homem quase não trabalha espiritual. Dizem que ele é da época da Tia, mas nunca o vejo de uniforme.

Ele mora dentro do Vale a muitos anos, e pelo que parece, durante todo este tempo ele sempre fez a mesma coisa: criticar e julgar a vida alheia.

Estou realmente curioso para saber como isto é possível! Então prosseguiu a vovó: Graças a Deus! Meu filho! Você ouviu bem: espirito de luz. Ele assumiu uma roupagem muito difícil, mas isto não muda a sua condição espiritual, pois o seu papel não é desarmonizar, e sim, preparar. Veja bem meu filho!

Um espirito não demonstra a sua evolução pelo o seu comportamento em si, mas pela vibração emitida.

O comportamento, muitas vezes, está diretamente ligado a roupagem, que é totalmente transitória, ou ao carma, isto é relativo. Mas não podemos julgar pelo que vemos, pelo menos quando recebemos a oportunidade de saber que existem mais razões além daquelas que são vistas.

Isto é profundamente o que separa uma pessoa comum de um missionário.

Missionário não é aquele que tenta seguir uma missão, pois muitos tentam, e até querem, mas jamais conseguem. Pois ser um missionário é, acima de tudo, servir a uma missão.

Veja este quadro que esta a nossa volta, meu filho: todos possuem o mesmo corpo físico, a mesma condição. Alguns moram do lado do templo, e mesmo assim, só conseguem pensar em acabar logo com este trabalho para poderem retornar aos seus lares.

Mas existe um missionário aqui presente, um missionário que se apresenta a sua missão:

aquele que recebeu a nobre missão de conduzir, neste dia de trabalho, a corrente mestra junto aos seus irmãos. E mesmo que todos vejam razões para se cansar e se entregar ao cansaço, para ele estas razões estão ocultas, pois ele está integralmente entregue a sua missão neste momento.

Como ele faz isto? Não sabemos! Pois entendemos que toda experiência no corpo físico é única para quem a vive. Para a espiritualidade a única coisa que importa é a vibração que ele emana.

E mesmo que o comportamento possa estar sendo mal visto no mundo físico, o mesmo pode não está acontecendo nos mundos espirituais.

É o caso daquele paciente, que meu filho pré-julgou aqui. Perceba meu filho! Ele vive sozinho, quase nunca trabalha espiritual.

Mas não se perde no mundo das drogas, do álcool, e o que é mais notório, não deixa este Vale quase nunca, mesmo com as multidão de gente vibrando pra ele deixar.

Ele é um grande missionário, pois tem repetido aqui por muitos anos o mesmo comportamento, sendo em todas estas vezes, hostilizado pelos médiuns que se apresentam nestes trabalhos para servir.

E você sabe por que ele assumiu esta missão meu filho?! Porque assim como ele faz, muitos espíritos de Jaguares o farão, porem, não com a mesma regularidade.

Muitas vezes entrarão aqui espíritos de Jaguares muito difíceis, e só terão uma única oportunidade para ingressar nesta missão.

Se não houver mestres preparados, assim como hoje você esta se preparando, talvez eles não tenham outra chance de evolução.

É graças ao trabalho missionário destes espíritos, que assumem uma roupagem tão difícil, que a preparação fica mais fácil, pelo menos para alguns, meu filho! Vão se passar os seculos e serão poucos os que compreenderam por que Tia Neiva conseguiu superar tantas barreiras e construir este Vale do Amanhecer.

Mesmo a reposta parecendo tão obvia, ela se torna mais complicada na pratica, na vivencia do dia a dia: SERVIR A MISSÃO! Mas servir a missão mesmo! Sem se deixar abater pela critica, pela perseguição, pelas forças contrarias…

Você mesmo não concordando com o comportamento que assistia, e mesmo julgando mentalmente, não perdeu a sua conduta doutrinária, e apesar dos escorregões, conseguiu concluir um grande atendimento neste trabalho. Nunca deixe uma oportunidade fugir de suas mãos meu filho, pois Pai Seta Branca já avisou: “Não é a quantidade, e sim, a qualidade…”. A casa esta cheia no físico, mas a contagem espiritual esta em outra frequência.

Enquanto alguns buscam ser vislumbrados aqui dentro, os missionários brilham aos olhos de Cristo Jesus. Entendeu meu filho?!

Doutrinador

: -Perfeitamente vovó! Eu só vou levar um tempo para me entender, entender de onde vem tanta ignorância…

Vovó Catarina das Cachoeiras: -Graças a Deus, meu filho! Não se preocupe, meu filho, você tem a vida inteira pra isto! Esse é o amor dos justos! O que faz nascer no coração do homem o seu real objetivo na terra: Conhecer a si mesmo! Graças a Deus!

Salve Deus! Por um eterno lutador de um dia fazer jus a honra de ser chamado de doutrinador!

Ass: Jaguar Mestre Luz Deste Amanhecer
Mensagem de Pai Manoel de Angola.
Adorei as Almas!


Salve nosso querido Preto Velho, Pai Manoel de Angola!

“Todo devem ser gratos, por serem perfeitos, porque nosso Pai Oxalá fez de todos os seus filhos obras primas, todos nesse terreiro deveriam agradecer por poderem enxergar, ver a luz do Sol e da Lua, também por escutar, abrir a janela e conseguir ouvir o canto dos pássaros, pelas duas pernas que levam a toda parte, porque se olharem em volta verão muitos que não tem algum membro, ou não enxergam, e todos aqui tem motivos para se alegrar pela perfeição oferecida a vocês pelo nossa Pai Oxalá. Ninguém aqui é mais do que o outro para julgar o próximo, devemos tomar os atos errados dos outros como exemplo, e sempre ao testemunharmos algum ato ruim, devemos toma lo como exemplo, e pensar que jamais repetiremos aquilo, vocês tem que apreender a se policiar, tomando as atitudes erradas do Mundo como um mau exemplo, o qual não devem seguir, mas sem julgar ou apontar o dedo incriminador.
Não carreguem ódio ou desem o mal ao próximo, porque o próximo é você mesmo, ou seja, sempre que pedem mal a alguém com rancor e ódio no coração, a pessoa afetada é você mesmo, a justiça divina faz com que o teu desejo carregado de más intenções volte, para que a pessoa possa ver o quão ruim foi a própria maldade. A língua deve ser mantida atrás dos dentes, pois ao fazer candonga (fofoca e intriga), isso volta para você e até mesmo para aqueles que você ama!
Sinto muito se não posso dar tudo aquilo que eu gostaria de oferecer a vocês, porque só posso dar aquilo que é de merecimento de cada um, mas enquanto não podem ter aquilo que almejam, eu os fortaleço e protejo para que um dia, de acordo com o merecimento, possam alcançar seus sonhos e aquilo que almejam , lembrem se que o amor, bondade e caridade feita de coração, evolui vocês espiritualmente e Oxalá oferece em dobro aquele seu gesto para com o próximo, amem a todos, amem e amem sempre! Pois é só por meio do amor puro e verdadeiro é que vão construir ou reparar, perdoem a quem ofendeu a vocês, não retribuam com mais brutalidade, mas sim com amor. Oxalá não da cruz pesada a ninguém, se estão passando por algum problema ou dificuldade é porque são fortes mais que o suficiente para superar, fracos são os que desistem, pois nas dificuldades Oxalá está carregando vocês no colo, tem que enfrentar tudo de frente, com fé, coragem e amor.
Sempre que me reúno com os outros preto velhos mentores de outro terreiros, eles me perguntam o que eu faço para ter filhos tão maravilhosos, e eu sempre respondo que tenho sorte pela filharada que tenho e que sempre procuro fortalece los para as intempéries.
Peço perdão se minha palavras ofenderam alguém, agradeço por todo o carinho de meus filhos, saravá!.”

Negro Tomas, um escravo que veio de Congo na divisa com Angola no território africano, em chegado ao Brasil pelos mercadores de escravos, o mesmo fora levado ao mercado de negros e por se tratar de um negro bem apanhado fora comprado por um senhor de engenho o qual tinha escravos que se utilizava de fugas e sabendo que o negro tomas seria da milícia de Congo o mesmo fará incumbido a caça-los, fora então o negro Tomas empossado como um caçador de negros que utilizavam de fugas para se livrarem dos trabalhos, mandado a um *Quilombo no interior de Minas Gerais negro Tomas não podia ser seus conterrâneos Africanos nos estados de abandono em que se encontravam, porque o negros que fugiam eram então levados aos Quilombos e açoitados quase ate a morte, negro Tomas se compadecendo dos mesmos passou a ajuda-los com terapias de ferimentos utilizando o que dispunha na época, ervas, graça animal e até água, mas não podia ele Tomas, ficar cuidando dos seus pois sua incumbência era exatamente o oposto, caça-los e castiga-los, fazia ele então o que os senhores o mandava, saia a procura dos escravos fugitivos e ao encontra-los, na maioria das vezes todos em estado lastimável de saúde, o levava para Quilombos mas ao invés de os castigarem começava ele, negro Tomas, a orienta-los de como agiriam para poderem terem seus “irmãos” livres, começou ai então uma rebelião nacional dos negros fugitivos, Tomas passou então a ser visto pelos negros como um salvador da escravidão a que eles estavam expostos. Tomas não recebia salário pelos préstimos aos senhores fazendeiros e proprietários de negros, apenas tinha “regalias” para um negro da época, era respeitado pelos milicianos da força nacional pois tinha vasto conhecimento na região em que atuava e se valendo deste conhecimento e destas “regalias” tentava impedir ao máximo a entrada de outros caçadores na floresta onde existiam tais quilombos. Era Tomas um negro bastante religioso e dizia sempre que um dia o Sinhozinho Jesus Cristo os libertaria daquela escravidão e da vida de mentiras em que ele Tomas estava envolto, mal sabia ele Tomas, que para sua infelicidade no meio dos negros ao qual ele próprio “capturou” e o levou ate um quilombo havia um ao qual por inveja de suas “regalias” com os brancos e sua autoridade com os negros, viera a denuncia-lo para os senhores de engenhos e fazendeiros o qual não tiveram perdão, mandaram os feitores prender Tomas e o negro ao qual fora o denunciante, ao denunciante mataram friamente e a Tomas o Açoitaram até a Morte, ou até ele proferir suas ultimas palavras: SINHOZINHO JESUS CRISTO VAI ME LIBERTAR..

      pai_guiné

  • Av. Dona Sofhia Rasgulaeff 177.
    Jardim Alvorada/ Maringá /Paraná
    Telefone: (44) 3034-5827 (44) 99956-8463
    Consultas Somente com Hora Marcada.
    Atendimento: de Segunda a sexta-feira
    Das 09:00 as 19:00 horas.
    Não damos consultas:
    via WhatsApp ou via E-mail e mensagens de celular.

Esta entrada foi publicada em Umbanda. Adicione o link permanente aos seus favoritos.