Mediunidade, um passo de cada vez

UM PASSO DE CADA VEZ
O desenvolvimento mediúnico é como o desabrochar de uma flor: um
fenômeno sutil,
que acontece dia a dia, sem milagres ou grandes saltos em sua evolução.
Desenvolver a mediunidade é um processo que começa interiormente,
buscando a melhora íntima e o desenvolvimento das virtudes superiores, pois
apenas através delas,acessa-se o padrão de sintonia ideal com os bondosos mensageiros que a Luz envia.

Mediunidade não é um bem para envaidecer-se, nem uma atividade que tem
como objetivo matar o tempo ocioso dentro da matéria.
É sim, um trabalho
sério, que exige disciplina e maturidade, compaixão e carinho, para que o trabalho não se
perca nas áridas ilusões do materialismo exacerbado.

Todo servidor mediúnico é uma ponte de ligação entre os planos mais sutis e a matéria.
É uma porta de acesso. Mas, caso essa porta seja aberta, o que
transitará por ela? Em verdade, o médium antes de ser elemento passivo
na comunicação espiritual, é elemento ativo no processo de sintonia com
as forças
superiores. A manifestação mediúnica é impressa sobre o conteúdo
anímico que
todo médium traz, em sua mente e em seu coração.

Por isso o grande esforço dos mensageiros da luz, para que antes das faculdades
mediúnicas desabrocharem por completo, o médium passe por um período
longo de desenvolvimento, onde suas capacidades acompanharão a própria evolução
interna da alma, predisposta ao trabalho de intercâmbio espiritual.

A todos esses irmãos, que buscam na mediunidade, um oportunidade de trabalho
redentor, deixamos os seguintes conselhos:

Utilizem-se sempre da palavra amiga, para que a psicofonia reflita os
sentimentos trazidos no coração.

Tenham olhos bondosos, que antes de procurar os defeitos alheios,
sirvam para a
compreensão dos próprios erros, fazendo da clarividência uma
ferramenta para o autoconhecimento.

Santifiquem suas mãos com o trabalho honesto e edificante, para que
elas possam
trazer, através da psicografia, as palavras do mais alto.

Façam com que suas atividades diárias sejam norteadas pelo bom-senso e
pela alegria, aumentando a lucidez fora do corpo, quando das excursões
noturnas enquanto o corpo físico descansa.

Escolham bem as conversações as quais participam, para que seus
ouvidos possam ouvir o sutil.

Cultivem pensamentos elevados e carinhosos em relação ao semelhante,
para que a
intuição flua, como um rio de bênçãos, a cair do altíssimo.

Não julguem com maldade e extremo rigor as manifestações mediúnicas do
próximo,
para que não sejam traídos pelo animismo não edificante. Lembrem-se
que o mesmo
rigor, descaso e sarcasmo destinado ao irmão, um dia poderá ser
destinado a
vocês.

Estudem, leiam e se instruam, mas não se envaideçam, pois os
verdadeiros
tesouros espirituais trazemos no coração.

Cuidado com o mau-humor. Ele acaba com qualquer tentativa de contato
espiritual
elevado. Manter-se sereno e equilibrado perante as pelejas do dia a
dia é a
maior prova de espiritualização que o ser pode dar.

Sejam simples. Não busquem o fenômeno ou o “show mediúnico”. Busquem
sim, o
esclarecimento, os ensinamentos elevados, o consolo e a fraternidade
com os irmãos mais necessitados.

Cuidado com os excessos, trilhem o caminho do equilíbrio, para que
suas companhias espirituais também sejam equilibradas.

Façam da oração uma manifestação de fé e confiança verdadeira nas
forças celestes, para que o amparado delas nunca falte.

Não se martirizem, nem se tenham como pecadores. Ninguém é perfeito,
todos temos
acertos e erros, débitos e créditos. Trabalhem e perseverem. Sejam
críticos, mas
não exagerem. Melhore na medida do possível e não se cobre uma postura
impossível em relação à vida.

Cada um tem o que merece. Aceitem suas vidas, suas dificuldades, seus
problemas,
pois eles estão aí por única e exclusiva responsabilidade sua.

Por último, confiem mais em si mesmos. Não desanimem com a aparente
falta de
evolução em relação a mediunidade. Como dito anteriormente, o processo
é lento,
sem saltos ou rápidas transformações. Um passo de cada vez. O caminho
é longo,
mas todos temos a eternidade…

Um Espírito Amigo
– Recebido mediunicamente por Fernando Sepe

Postado por CLAUDIA BAIBICH

banho de descarrego com 7 ervas sagradas

Manjericão pertence a Oxalá e é muito usado na cozinha Ingredientes:

utilizar o correspondente a uma mão cheia da erva fresca e nunca folhas secas para medida de cada uma das ervas.

Manjericão – pertence a Oxalá Arruda

– pertence a Oxalá Alecrim

– pertence a Oxalá Malva-Branca

– pertence a Oxalá Malva Rosa

– pertence a Oxalá Manjerona

– pertence a Oxalá Vassourinha

– pertence a Oxum Cuidados durante a preparação do banho de descarrego

Para este banho você não poderá cozinhar as ervas e sim macerar cada uma com a água fria. Lembre-se que este banho de descarrego com 7 ervas não vai ao fogo!

O banho de descarrego com 7 ervas deve ser preparado pelo menos 1 hora antes de ser tomado.

O banho de descarrego com 7 ervas deve ser preparado em uma vasilha de louça ou metal para concentrar as energias das *ervas*.

O banho de descarrego com 7 ervas não deve se usado quando a mulher está menstruada e pode ser usado por gestantes.

Como preparar e tomar o banho de descarrego?

Macerar as ervas, uma a uma; em 2 litros de água e deixar descansar por pelo menos 1 hora.

Depois retirar o excesso de folhas do banho de descarrego e reservar.

Tome um banho de chuveiro normalmente, inclusive lavando a cabeça.

Ao final; depois de desligado o chuveiro,

jogue lentamente sobre o pescoço o banho de descarrego com 7 ervas,

mentalizado a purificação espiritual e pedindo graças ao seu guia espiritual.

Não secar com toalha, deixar secar ao natural. Depois de tomar o banho de descarrego…

As ervas que sobram devem ser descartadas em mata ou aos pés de uma árvore.

  • Av. Dona Sofhia Rasgulaeff 177.
    Jardim Alvorada/ Maringá /Paraná
    Telefone: (44) 3034-5827 (44) 99956-8463
    Consultas Somente com Hora Marcada.
    Atendimento: de Segunda a sexta-feira
    Das 09:00 as 19:00 horas.
    Não damos consultas:
    via WhatsApp ou via E-mail e mensagens de celular.

Esta entrada foi publicada em Textos de Umbanda. Adicione o link permanente aos seus favoritos.