Ao Mestre com Carinho

Ao Mestre com Carinho

Em 2008, o Pai João me fez um pedido Especial.
Pediu-me pra que falasse com as pessoas que vem no Centro sobre Umbanda.
Segundo ele era a hora de repassar um pouco do que aprendemos.
Era hora de vestir a camisa e ajudar a divulgar a umbanda, contribuir para desmistificar.
E era nosso dever sair em defesa da nossa fé
Levar as pessoas um pouco de entendimento, ensinar.

Segundo o pai João é missão dos Pais, Mãe e filhos de Santo, propagar sua fé ao invés de ficar de braços cruzados, reclamando que somos discriminados, que existem preconceitos.
Isso sempre existiu, por falta de informação.
Quando aceitamos sermos tachados de Macumbeiros.
(macumba= instrumento de percussão, atabaques)
Quando falam fulano (a) vai no Saravá.
(saravá= Boa noite, cumprimento de Exú na esquerda, ou Saravá salve na direita. exemplo salve oxalá, salve ogum etc…).
Quando falam fulano (a) fez um feitiço.
( feitiço vem da palavra francesa fetiche =feito a mão.)

Pai João diz; “que devemos combater o preconceito primeiramente em nós”.

Que a Religião pertence ao homem, a fé é Deus.

“Somos nós que” “Devemos” ter certeza no que acreditamos não os outros.

Por isso se recomenda:

Participar ativamente do centro, ir às giras, palestras e reuniões.

Cabe aos médiuns a busca pelo conhecimento.

Muitas pessoas se sente constrangidas em admitir que são umbandista.

Por causa de alguns comentários de outras denominações religiosas.

Uns ficam sem ação quando dizem que somos idolatras. ( adoradores de Imagem).

” Que imagem tem boca mas não fala, tem ouvidos mas não ouve, tem pernas mas não andam”.

Concordamos.

Realmente é isso.

Mas a resposta para o uso de imagens em nossos altares é muito simples.

As imagens são feitas de gesso ou resina.

Mas servem como ponto de elevação mental, algumas pessoas tem dificuldade de concentração, pra elas a entidade está na imagem é só conseguem se concentrar, rezar ou fazer seus pedidos diante dela.

Vamos dar um outro exemplo:

Quem nunca recorreu a um álbum de fotos antigo, pra ver seu ante querido.

Então é isso é uma lembrança.

Concordei, por que sempre achei que ninguém melhor do que nós (Umbandistas) pra falar sobre o que acreditamos.

Achei que era simples.
Até por em prática.

Quando se diz:
Só se recorre a umbanda por dois motivos: “Amor ou Dor”.
Queremos dizer que ninguém vai num centro ( terreiro ou tenda de Umbanda), pra passear, ou conhecer.
Que muitas vezes algumas pessoas vai ao centro mas nem sabe como funciona.
Que nem sabe que a Umbanda é uma religião.
Que tem fundamentos.
Muita gente nem sabe que temos deveres e obrigações.
Que temos Deus no coração.
Que temos um compromisso com a Espiritualidade.

A grande maioria das pessoas chegam no centro em busca de auxilio socorro e cura pra suas dores morais, fisicas ou espirituais.
Sentem a necessidade de falar, de desabafar.
De exteriorizar seus conflitos internos.
De expor o que as incomoda.
Buscam soluções pra diversos problemas.

Até ai estamos dentro de uma normalidade.

A dificuldade encontrada no pedido do Pai João foi:
Durante uma consulta a pessoa esta focada no problema dela.
A mente esta aberta pra fazer o que for preciso pra resolver o seu caso.
Se for necessário, consultar um guia.
Tomar um passe.
fazer um banho de descarrego.
Acender velas ou fazer um trabalho. tudo bem.
Enquanto a conversa gira em torno do interesse da pessoa vai bem flui naturalmente.
Mas se você for falar sobre Umbanda.
o desinteresse é total.
Ninguém quer saber qual é o fundamento da umbanda, o que é mediunidade, o por que das giras, pra que serve as guias, por que se acende velas, o que é oferenda, o por que dos banhos de descarrego.
Enfim você pode passar horas ouvindo uma pessoa mas essa mesma pessoa não é capaz de te ouvir por mais de 10 minutos.

Cheguei pro pai João e disse:
“Pai João não estou conseguindo conversar com as pessoas sobre umbanda, quando começo a falar percebo indiferença, alguns fogem do assunto, outros repentinamente se lembram de algum compromisso, outros dão pressa de ir embora.”
O que fazer.
Pai João me respondeu:
” persista meu filho, continue. Você está no caminho certo.
Mas se lembre o que os olhos não veem o coração não sente”.
achei que tinha entendido.

No dia seguinte colei cartazes nas paredes do centro.
Com frases usadas pelos guias.

Toda semana eu mudava os cartazes uma hora colocava as datas comemorativas( dias dedicados ao santos, guias e orixás).
colocava fotos com oferendas e as explicações delas.
Colocava fundamentos, no que acreditávamos.

Colocava curiosidades.

Mandei fazer um quadro bem grande, pra fazer um painel com fotos diversas, de oferendas, velas, defumadores, artigos de umbanda, fotos de Orixás, guias etc….

Enfim queria chamar atenção, despertar a curiosidade.

Pra que as perguntas viessem de forma natural.

Era a oportunidade que eu precisava. Pra se falar sobre Umbanda.

Quando percebi que o objetivo não estava sendo alcançado, resolvi mudar a tática.

Fiz algo nada convencional.

Pedi permissão aos guias pra levar ao centro um computador.

Coloquei nesse computador centenas de Fotos pertinentes a Umbanda e pontos cantados.

E o deixei num ponto Estratégico, onde era impossível não ver e ouvir.

As imagens passavam no modo Slide, de forma alienatória.

E despertava a curiosidade, as perguntas começaram a surgir.

Que santo é aquele?

O que aquele santo faz?

Pra que serve aquela oferenda?

Aquela comida pra que santo que é?

Pra que serve aquele colarzinho de cores variadas.? (guias)

Qual é a cor da Vela de ogum?

Que erva se usa pra fazer banho de descarrego?

Qual o melhor dia pra se fazer banho de descarrego?

Por que se usa branco?

Por que os médiuns batem cabeça no altar 3 vezes?

Que bebida se oferece a preto-velho?

Qual é o defumador que se usa pra fazer limpeza no comércio?

Como funciona a mediunidade consciente?

Por quê fazer entregas, oferecer comidas, bebidas, velas, etc, aos Guias, se Eles são espíritos e assim, não comem e nem bebem?

O que é um ponto riscado?

Outras entidades, além dos Exús e Pombas-Giras, podem mandar fazer trabalho no cemitério ou encruzilhada?

Qual seria a verdade sobre a vida “ir pra frente” na vida, ou não, em caso de não desenvolvimento da mediunidade?

Por que os médiuns ficam descalços nas giras de umbanda?

É verdade que não é aconselhável homem receber pomba-gira?

QUAL A FINALIDADE DA UMBANDA COMO RELIGIÃO?

QUEM SERIA O SER SUPREMO NA UMBANDA?

O QUE SÃO AS LEIS DA UMBANDA?

QUEM É PAI E MÃE PEQUENOS?

QUEM É O OGÃ?

QUANTOS ORIXÁS INFLUEM NO DEVOTO DA UMBANDA?

Qual a diferença entre possessão e obsessão?

Há algum tipo de estudo no terreiro para os médiuns e a frequentadores?

Por que os trabalhos espirituais do terreiro, inclusive os de esquerda, tem sempre uma hora marcada para começar?

E etc., etc. e tal…

Como vimos existe perguntas a ser feitas, mas se não despertarmos o interresse das pessoas e nem dermos espaço ,elas não perguntam.

E assim passaram-se os meses.

Um dia pai João disse: ” que era hora de passar adiante o conhecimento adquirido, levar pra fora das paredes do centro”.

Como no hino da Umbanda.

” levando ao mundo inteiro a Bandeira de Oxalá”.

Embora sem entender o que era pra ser feito, levei a sério.

Em uma noite de insônia entrei na internet e naveguei em alguns Sites de Umbanda.

Queria saber o que se escrevia sobre a Umbanda.

Achei interessante, alguns muito bons, ricos em ensinamentos e outros confusos.

Mas o objetivo não é criticar.

Por que todas as vezes que criticamos, alguém ou alguma coisa, temos a obrigação de sermos melhores.

Mesmo sabendo que não possuía conhecimento, pois nunca fiz um curso de web desinger, eu queria fazer um site.

Um site simples, de fácil entendimento, que fosse direto ao assunto. Sem comerciais, sem patrocínio.

Um site que tivesse a cara do Pai João, Algo feito com o objetivo unico ensinar.

Em 13/03/2009, coloquei no ar as primeiras páginas de nosso Site.

De 2009 até aqui, fiz 2 sites . São eles

www.centropaijoaodeangola.com

www.umbandapaijoaodeangola.com.br

Pra mim ficou muito clara a lição do Pai João, que quando se propomos a ensinar, na realidade estamos aprendendo.

A vida é isso …não se fica pobre dividindo o que sabe.

Quando coloquei no site as páginas de Orações, queria dizer a você:

” Não diga a Deus que você tem um grande problemas, diga aos seus problemas que você tem um grande Deus”.

” Nada é impossível para aqueles que tem fé”.

Que a oração é um guia prático pra ação.

Quando coloquei os altares virtuais, queria dizer a você: ” você não está sozinho”.

Quando se entra nos altares se vê os Santos, Orixás, Guias e Exus, Vê as orações deles.

Abaixo se vê o pedido de outras pessoas.

Ou seja a é comprovação que eles existem e estão no coração de muita gente.

Que muitas pessoas recorrem a eles em todos momentos. se vê pedidos, agradecimentos, demonstrações de fé.

Quando coloquei as páginas de reflexão, Queria dizer a Você.

Que ninguém muda ninguém, que cada um é o que consegue ser.

Que o máximo que conseguimos é mudar a nós mesmos.

É isso que a Umbanda prega: Reformas intima.

Que devemos perdoar, relevar e esquecer as mágoas, que devemos afastar de nossos corações o desejo de vingança.

Que devemos se lembrar: ” que tudo que vai, volta” essa é a lei do retorno.

Que devemos romper com o passado, deixar pra trás tudo que nós faz sofrer.

Saber que: “Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora e fazer um novo fim”

Viver um dia de cada vez. afinal o ontem já foi, o amanhã não chegou , só te resta o hoje.

Quando coloquei no site dezenas de páginas com assuntos diversos, queria dizer a você e a todos os leigos no assunto essa é a Umbanda que eu conheço e amo.

Quando coloquei no site as páginas dos Orixás, eu quis dizer as médiuns esse é se orixá.

Aprenda mais sobre ele, é ele que rege sua Vida.

Entenda cada terreiro é uma escola diferente, mas a lei e o fundamento é o mesmo pra todos.

Quis dizer respeite o terreiro que você frequenta, trate com carinho seu Pai e Mãe de santo eles são seus professores.

Receberam-te de braços abertos como filhos ( filhos de fé), essas pessoas são responsáveis por sua educação religiosa.

São eles que irão te apresentar seu santo, irão fornecer a você todas as informações necessárias ao seu crescimento espiritual.

Trate com respeito seus irmãos de fé, nunca se sabe qual deles será o próximo pai ou mãe pequena, você terá que tomar a bênção dele (a).

Não competir com seu irmão de fé. Cada um tem o que merece.

Nossos guias não fazem acepção de pessoas pra eles o que vale é a fé e a dedicação de cada um.

Não encare sua mediunidade como um fardo, encare com espirito de cooperação.

Entenda: ” Quem não vive pra servir, não serve pra viver”.

Adote esse lema de vida: ” fazer o bem sem olhar a quem”.

Quando chegar no terreiro, esqueça seus problemas pessoais, vá de coração puro.

Procure tirar o máximo de proveito.

Bata sua cabeça consciente, entenda que esse ato é símbolo de resignação total.

Preste atenção no que seu Pai e Mãe de santo esta dizendo nas aberturas do trabalho.

Deixe-se envolver pelos pontos Cantados. preste atenção no significados de suas letras.

Esteja atento ao que os guias falam.

Jesus não disse: “Que seria fácil, apenas que valia a pena.”.

Enfim eu quis ensinar o que aprendi.

Todos esses anos eu tive em mente:

” O que os guias fizeram na minha vida somente eu sei, a pergunta era o que eu tinha feito por eles”.

Esse site é uma retribuição aos guias, é uma forma de dizer:
Obrigado.
” Sinto orgulho em ser Umbandista”.

Agradeço ao Pai João por tudo.

Enfim poderia enumerar mil razões pra ter fé e acreditar.

Mas nada que eu possa dizer ou escrever descreve o “meu”, o seu, o “nosso” Pai João de Angola.

Eu escrevi cada página desses sites, deu muito trabalho, perdi noites de sono.fins de semanas e feriados

foram 4 anos pra chegar a esse trabalho. Sinto orgulho do que fiz.

Mas fiz tudo com muito Amor. Realmente acredito em tudo que escrevi.

Se ajudei, não sei.

Mas de uma coisa tenho certeza defendi o que acredito.

Um abraço Fraterno.

Beto de Ogum.

      Ao mestre com carinho

 

  • Av. Dona Sofhia Rasgulaeff 177.
    Jardim Alvorada/ Maringá /Paraná
    Telefone: (44) 3034-5827 (44) 99956-8463
    Consultas Somente com Hora Marcada.
    Atendimento: de Segunda a sexta-feira
    Das 09:00 as 19:00 horas.
    Não damos consultas:
    via WhatsApp ou via E-mail e mensagens de celular.

Esta entrada foi publicada em Umbanda. Adicione o link permanente aos seus favoritos.